Felicidade é um spaghetti ao vôngole

Por Ana de Andrade

São Paulo, 25 de junho de 2017

Abro os olhos nesta linda manhã de verão e meu primeiro pensamento é um spaghetti ao vôngole.

O que acontece comigo?

Mal acordei, sequer tomei café da manhã e já começo a imaginar uma bela pasta e frutos do mar? Será que sonhei com comida?

Tá bom vai! Sou neta de italianos, do tipo que acorda pensando no que vai almoçar e ao terminar o almoço já imagina o que vai jantar, mas nunca tive alma gorda. O corpinho, bem, este já é outra história. Uma verdadeira sanfona.

Abro meu Facebook e a primeira postagem do feed de notícias é uma foto de dar água na boca de um famoso restaurante de frutos do mar.

E meus amigos ainda riem quando digo que o Google e o Facebook já lêem até pensamentos para alimentar suas pequisas e influenciar nossas decisões.

Com uma saudade imensa da infância, e recordando o delicioso “Spaghetti alle vôngole in bianco” que minha avó preparava nos domingos de verão, mando estes questionamentos às favas e passo a buscar um vinho para harmonizar com meu almoço.

Lembro da antiga regrinha básica que já ficou para trás: tintos com carne vermelha, brancos com carnes brancas. Algumas vezes ainda é válida.

Abro minha adeguinha, que por sinal anda muito vazia e penso: Nada muito complicado, afinal para um prato assim ligeiro, um branco leve como um Pinot Bianco, um Muscadet ou mesmo um rosé da Provence, dentre tantas outras combinações possíveis.

Com a alma mais leve e o corpo um pouquinho mais gordo, começo meu dia feliz.